sexta-feira, 20 de julho de 2012

Mudar pra quê!?


Falcão, um dos técnicos demitidos após apenas 10 jogos

Ao fim da 10ª rodada da Série A do Brasileirão, as demissões de Falcão, Dorival Júnior e Argel Fucks – abre o olho, Joel! – confirmam a incrível rotina anual do nosso futebol: a dança das cadeiras dos técnicos.  


Com apenas 10 jogos feitos por cada time até aqui, já são contabilizadas 6 trocas de técnicos entre os times da Primeira Divisão. Só o Atlético-GO, lanterna da competição até aqui, foi responsável pela proeza de já ter trocado de comando por 2 vezes!

E o histórico mostra que coisa pior ainda vem por aí. Em 2010, foram 31 as demissões de treinadores. O primeiro ano do campeonato de pontos corridos, em 2003, foi o que contabilizou a maior quantidade de trocas: incríveis 41!

Por que essa dança das cadeiras de técnicos só acontece aqui no Brasil? Ou melhor: por que só acontece no FUTEBOL do Brasil? No basquete e no vôlei, por exemplo, a frequência da troca de técnicos não chega nem perto da do “velho esporte bretão”.

Acontece que, aqui, como em nenhum outro país no mundo, a quantidade de times de grande expressão é enorme. Uma torcida não consegue observar, impassiva, o sucesso da torcida rival. Dessa forma, quando o time vai mal, os torcedores, impacientes, pressionam jogadores e clubes (muitas vezes de formas violentas e irracionais, diga-se de passagem). As diretorias, afundadas em dívidas, se mostram incompetentes e desorganizadas e, pra mostrar serviço, resolvem “mudar o perfil da equipe”. E, claro, sobra pros técnicos, já que é muito mais cômodo trocar o único general do que todos os soldados.

Esses números abissais de trocas de técnico revelam o ambiente hostil e adverso em que se encontra o futebol brasileiro. Como se não bastassem a baixa qualidade técnica dos jogos por aqui, os recentes fracassos da seleção, os estádios medíocres e os gramados esburacados, não é só dentro de campo que a situação está feia.

O planejamento, palavra da moda no Esporte em geral, nunca é levado a sério nos departamentos de futebol dos clubes. Muitas vezes – na maioria delas, aliás –, a troca dos técnicos é feita simplesmente para “jogar junto com a torcida”. Não são levados em conta atributos que, em QUALQUER outra empresa, para o preenchimento de qualquer outro cargo, seriam levados. Ser adequado ao perfil da empresa? Compartilhar das mesmas ambições? Pra quê! Provavelmente, daqui a 8 ou 10 meses, você não ocupará mais o cargo...

Vejam o exemplo do Flamengo. No Basquete, o planejamento é digno de aplausos. Consegue manter o time, ou pelo menos a maioria dos jogadores, há alguns anos. Os técnicos raramente são trocados. Os resultados? Figurar nas semifinais de TODAS as edições do NBB até aqui, com um título nacional. Por que raios o futebol não consegue fazer o mesmo?

A cultura de troca de técnicos já é algo impregnado por aqui. Exemplos recentes comprovam isso. O técnico Tite, do Corinthians, teria sido demitido, fosse ouvida a vontade da torcida, na metade do Brasileirão do ano passado, campeonato do qual saiu campeão. Manteve o trabalho e trouxe para o Parque São Jorge a tão sonhada Libertadores em 2012. Cristóvão Borges, técnico do Vasco, detém o melhor aproveitamento da história do clube na era dos pontos corridos. Ainda assim, a maioria da torcida pede sua demissão.

A cabeça do torcedor brasileiro é algo difícil de entender...
Mas, para o bem do futebol brasileiro, é preciso mudar! Com um pouco mais de paciência e planejamento, teremos clubes mais fortes e mais bem estruturados, futebol de melhor qualidade, disputas mais intensas. Se os marechais se esforçarem um pouquinho mais, teremos melhores generais, melhores soldados, melhores Exércitos. E menos guerras.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Como uma dama deve ser tratada

Na véspera do dia Internacional da Mulher, ela, a bola, dona do futebol, fui muito bem tratada pelos marmanjos.

O que se viu durante todo o dia foi uma verdadeira ode ao futebol bem jogado. Beleza, plástica, objetividade, resultados, ginga... tudo o que é necessário para encantar o mundo com a bola nos pés. Tudo o que, de fato, encantou o mundo. E não aquele futebol chato, com 3 zagueiros e 3 volantes que muitos insistem em escalar.

E o espetáculo começou logo com o melhor ato. À tardinha, o que se viu foi uma das melhores apresentações de todos os tempos da Uefa Champions League. O Barcelona, comandado por Messi, atropelou o alemão Bayer Leverkusen. Com as já tradicionais tabelas e encobridas, Lionel Messi fez o que ninguém havia feito até então: 5 gols numa mesma partida do torneio. Para se ter uma ideia, em 95-96, o escocês Ally McCoist
 foi artilheiro da COMPETIÇÃO com 6 gols anotados.
Messi ainda figura entre os 5 maiores goleadores da história da competição, com apenas 24 anos.
E, pra mim, já está entre os 5 melhores da História do Futebol. Mas isso já é outra discussão...
Barcelona 7, Messi 5, Bayer Leverkusen 1.

O Dia foi se aproximando da noite e Neymar tratou de mostrar que, apesar de alguns degraus abaixo, o futebol brasileiro ainda não está morto. Marcou 2 golaços no Inter de Porto Alegre e deu uma lição nos “chatos-do-futebol”.
Com excelentes opções para o meio-ataque, como Dagoberto, Dátolo e Tinga, Dorival Júnior (que eu considero um excelente técnico, por sinal) , achou por bem escalar 3 volantes daqueles trogloditas. Guiñazu, Élton e Bolatti foram encarregados de sufocar a criatividade do meio-campo e segurar o forte ataque santista.
Não funcionou. E Neymar mostrou que, além de ser muito mais agradável aos olhos, um  futebol bonito e bem jogado pode ser também mais eficiente.


Já à noite, vimos uma um clássico sul-americano de encher os olhos. Boca Juniors, o papão de títulos da América do Sul, e Fluminense, time com um dos melhores desempenhos dos últimos anos em competições continentais, travaram no verdadeiro campo de batalha de La Bombonera um belo embate.

E o tricolor carioca fez história.

O time do Boca não é o mais o mesmo de antigamente? Verdade... Não participa da Libertadores há alguns anos? Também... Mas, na maior competição continental, são 106 jogos e apenas 9 (!) resultados que não foram vitórias jogando na temida Bombonera.

Entre esses 9, quatro foram os brasileiros que foram até o caldeirão e voltaram com 3 pontos no bolso: o Santos de Pelé, o Cruzeiro, o Paysandu de Iarley (!!!!), e agora o Fluminense, com atuação memorável de Deco.

É... o futebol, pelo menos, tratou de dar um felicíssimo Dia Internacional da Mulher à sua primeira-dama.
________________________________

Em contrapartida (pelo menos para nós, capixabas), veio o lado triste do dia.
O tabu permanece: o Espírito Santo é o estado com mais tempo sem times passando de fase na Copa do Brasil. Já são 14 anos sem ter um representante na segunda fase da competição.

Os incumbidos de acabar com a escrita nesse ano são o estreante Real Noroeste e o São Mateus.

Ou melhor, eram.

Fica pra próxima, Real Noroeste

O Real Noroeste recebu o Ipatinga e perdeu por 2 a 0, sendo eliminado sem mesmo realizar o jogo em Minas Gerais.

Agora é torcer pelo São Mateus, que recebe em seus domínios a Chapecoense na próxima quarta-feira.
Mas do jeito que o Pitbull está no Capixabão... =/


______________________________________

Um feliz dia Internacional da Mulher a todas as queridas leitoras deste blog! =D

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Avante!


É duro dizer isso, ainda mais para um vascaíno, mas Ricardo Gomes, ao meu humilde modo de ver, está fora de campo.

Todos sabemos o homem de honra e palavra que é Ricardo Gomes. E todos sabemos também de sua paixão pelo futebol. Paixão essa que, infelizmente, acabou por traí-lo e afastá-lo daquilo que mais gosta, daquilo que lhe deu prazer durante toda sua vida.

Paixão que o faz perder noites de sono, que o faz trabalhar à exaustão, que o faz cruzar o país em poucos dias. Que, somada à sua predisposição para problemas circulatórios, levou-o ao segundo (isso mesmo, já houve outro) AVC de sua carreira.

Pouca gente sabe, mas enquanto treinava o São Paulo, RG também passou mal e foi diagnosticado com AVC. Felizmente, o problema não foi tão grave como o que aconteceu no último domingo. Mas, desde então, Ricardo sabia de sua situação e já estava advertido de que não deveria mais treinar clubes.

Hoje, há pouco, os médicos ainda acharam por bem sedar Ricardo Gomes novamente e, apenas por precaução, fizeram novos exames em seu cérebro (que, felizmente, não apontaram nenhuma piora no quadro do treinador).

E é por isso tudo que, por mais difícil e duro que seja de aceitar, o Vasco precisa de um novo técnico.

É anti-ético avisar um profissional de que ele foi substituído do cargo quando ele está deitado numa maca de UTI? Pode até ser. Mas muito mais anti-ético, e até desumano, seria empregar um profissional com as condições de saúde que Ricardo apresenta.

Condições que o afastarão em definitivo da profissão de técnico de futebol.

Ao Vasco, resta levantar a cabeça e seguir em frente. Seguir com a certeza de ter apoiado e feito tudo o que podia pela recuperação de um treinador que ficará marcado na história do clube.

É hora de apoiar, ajudar, torcer, rezar e, sobretudo, de continuar.

Avante, Vasco.
Avante, Ricardo!

____________________________________________

E passamos uma semana em que as Fabianas brilharam!
Até então, o Brasil não tinha consgeuido nenhum ouro em Copas do Mundo das duas modalidades. 

E, em uma semana, duas Fabianas atingiram conquistas inéditas para o país em Copas do Mundo.

A Fabiana Murer, no salto com vara (desbancando, inclusive, a Isinbayeva):


E a Beltrame, no Remo (categoria Skiff individual peso leve):



Parabéns, Fabianas!
____________________________________

                                   
Pra fechar,  Pai Tigu volta com todo o gás adiantando a rodada do Brasileirão.
E dá-lhe pitaco!

Fluminense 3 x 1 Atlético-GO                  Grêmio 2 x 1 Atlético-PR
Atlético-MG 1 x0 Avaí                              Coritiba 1 x 1 Corinthians
Figueirense 0 x 2 São Paulo                   América-MG 0 x 2 Vasco
Palmeiras 2 x 0 Cruzeiro                        Ceará 1 x 1 Internacional
Flamengo 3 x 0 Bahia

Será que as férias fizeram bem para Pai Tigu? Aguardemos...

domingo, 28 de agosto de 2011

Retorno!

Enfim, de volta!
Após um longo período de desligamento do seu Planeta por motivos de mudança (para a Cidade Maravilhosa), este humilde Criador está de volta e promete administrar o blog como ele (e vocês) merece (m)!

Após um longo período de desligamento do seu Planeta por motivos de mudança (para a Cidade Maravilhosa), este humilde Criador está de volta e promete administrar o blog como ele (e vocês) merece(m)!

Tentarei manter uma boa frequência de atualizações, embora essa vida de universitário consuma boa parte do meu tempo. Mas é um curso feito, em partes, pra vocês também

Afinal, o que quer um bom jornalista senão agradar da melhor maneira possível o seu público?
_____________________________________
 
Pra marcar a volta do Blog, falemos de outro retorno, de importância incomensurável para o futebol capixaba: o Retorno da Desportiva Ferrovária.

Na manhã fria de domingo, dia 21 de agosto, pouco importava a temperatura marcada pelos termômetros. Pouco importava a chuva. Pouco importava o forte vento que batia nas arquibancadas do Estádio Engenheiro Alencar de Araripe.

Para os poucos mas apaixonados torcedores que estiverem no retorno da Tiva, o que valia de verdade era o calor que emanava de cada coração grená ali presente. A armadura grená aquecia. Chuva, só se fosse a de lágrimas que caiam dos olhos (incrédulos) de cada capixaba apaixonado pelo futebol local no Araripe. Vento?? Para eles, era o sopro das mudanças.

O jogo em si, na verdade, também não importava tanto. Como não importava também se o time era bom ou ruim, se iria ganhar ou não a partida. O torcedor queria festejar o marco da reconstrução. A reconciliação com a história da Desportiva. O resgaste de um amor que, mesmo arranhado por alguns graves deslizes nos últimos anos, nunca deixou de ser vivido. Muito pelo contrário.

Dívidas, brigas na justiça, extinção de torcidas, rebaixamento... nada disso acabou com o sentimento grená que a história gloriosa do time de Jardim América tanto se empenhou em criar. Enfraqueceu, é verdade, mas ainda estava ali, guardado no peito de cada torcedor, pronto para renascer a qualquer hora.

O que não nos mata, nos fortalece.

E foi com esse pensamento que a Desportiva Ferroviária voltou aos gramados.

No fim das contas, o time venceu, por 2 a 0. Apresentou um bom futebol e, atualmente, lidera o grupo A. Melhor que a encomenda!

Mas a hora não era pra se preocupar com isso. O que o torcedor queria era festejar e pôr para fora todas as dores acumulados nos últimos anos. A DESPORTIVA FERROVIÁRIA nunca deixou de ser DESPORTIVA FERROVIÁRIA.

 


O sentimento não tem fim. Parabéns a quem viveu, ajudou a construir, e ainda vive essa história.

Seja bem-vinda de volta, Desportiva e, dessa vez, venha para ficar!
_________________________________

Quero ver parar essa euforia toda dos grenás!

Abre o olho, Brancão!
___________________________________________

E, é claro, não podia faltar o nosso guru!



Como retornar ao blog sem a presença de Pai Tigu!?

Já no longínquo dia 20 de Junho, nosso Mestre de Previsões dizia quem estaria no topo e na rabeira da tabela do Brasileirão. O além contou para nosso guru os seguintes pitacos:

“G-4: Palmeiras, Vasco, São Paulo e Botafogo

Rebaixados: Atlético-PR, Avaí, Santos e Ceará

Lembrando que a ordem não seria necessariamente essa.”

E até que não foi tão mau assim, né! O Santos, maior surpresa da lista, como previsto por Pai Tigu, cochilou depois da conquista da Libertadores. Mesmo assim, jogando 40% do que pode jogar, acumulou bons pontos nas ultimas rodadas e escapou do Z-4.

50% de aproveitamento no total.
E ele está só se aquecendo depois do descanso.
MUA HUAHUAHUAHUA!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Pai Tigu hermano

Primeiro, um recado.
Nosso humilde blog ficará sem as rotineiras atualizações durante uma semana (porque blogueiro também viaja).
Depois desse prazo, o ritmo do Planeta Bola voltará ao normal.

Então, vamos ao que interessa.

                                

Antes de viajar, Pai Tigu fez um contato plus com o além e já previu o que vai acontecer na Copa América. E ainda se deu ao luxo de anotar os placares e passar para vocês, nobres seguidores:
QUARTAS                                        SEMI-FINAIS
Colômbia 2 x 1 Peru                      Colômbia 0 x 2 Argentina
Argentina 3 x 2 Uruguai                  Brasil 3 x 0 Venezuela
Brasil 2 x 0 Paraguai
Chile 1 x 1 Venezuela

FINAL
Argentina 3 x 1 Brasil

Querem surrar Pai Tigu? Xinguem a vontade nos comentários =P

___________________________________________

Ainda dá tempo de apenas um pedido:

É pedir demais a quem visita deixar seu voto da Musa do Futebol Feminino ali do lado?
Não custa nada ><

"Que beleeeza"

Como todos vocês sabem (ou não), está rolando na Alemanha a sexta edição da Copa do Mundo de Futebol Feminino.


Infelizmente para nós brasileiros, a competição acabou no último domingo, quando nossas meninas foram eliminadas foi uma vez pelos Estados Unidos da América (com direito a gol de empate no último minuto da prorrogação e derrota nas cobranças de pênalti =/)

Mas, superada essa dolorosa derrota, estamos aqui para falar de coisa boa, e não triste! 

Como é muito fácil perceber em alguns jogos, independente da qualidade futebolística, a aparência física de algumas jogadoras chama atenção.

Por isso, resolvi anunciar a próxima enquete do Planeta Bola: quem é a Musa da Copa do Mundo de Futebol Feminino!?

Depois dessas candidatas, quero ver os marmanjos falando que o “futebol feminino é feio”...

                                              Hope Solo - EUA:

                       

                       

Alex Morgan - EUA:
 



Kaylyn Kyle - Canadá:


Jonele Filligno - Canadá:



Heather Mitts - EUA:

Amy Rodriguez - EUA:
 

Nayeli Rangel - México: 
 

E, como não poderia faltar, nossa representante tupiniquim, Érika:

 
Nada mal, hein...


Vejam as imagens, estudem, analisem... depois de escolher, é só votar ali do lado --->


Não se esqueçam de comentar!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

"Num vai descer ninguém!"

Nessa lista fanfarrão não entra!
Mais um da série “especial Planeta Bola da Segunda Divisão”.

A queda do River Plate levantou algumas dúvidas e curiosidades sobre o rebaixamento em todo o mundo.

A complexidade do sistema argentino de Rebaixamento/ascensão já foi explicado no post abaixo.

Agora, mais um capítulo dessa série aumentará nossa cultura futebolística.

Aqui no BRASIL, sabemos que Cruzeiro, Flamengo, Santos, Internacional e São Paulo são os únicos que sempre disputaram a primeira divisão nacional. Vasco e Corinthians foram os últimos gigantes a perder esse privilégio.

Mas... Quais gigantes já caíram nos principais campeonatos do mundo? Quais sempre disputaram as divisões de elite?

Aqui você encontra a resposta para essas perguntas!

Com a queda do River, na ARGENTINA o grupo foi reduzido para dois: Boca e Independiente nunca passaram pela mesma dor da qual os “milionários” sofreram na semana passada.

Na ITÁLIA,  a Internazionale* é o único clube que detém esse posto. A Juventus, em 2006, foi rebaixada devida a um escândalo de manipulação de resultados, assim como o Milan na década de 80. Nessa  mesmo década, o Milan ainda foi rebaixado mais uma vez, dessa vez sem manipulações e com deficiência técnica.

Na ESPANHA, somente três clubes sempre pertenceram à Primeira Divisão: os gigantes Barcelona e Real Madrid e o surpreendente Athletic de Bilbao.


Na INGLATERRA, supresa! Nenhum time conseguiu se manter na elite durante toda a história. O Arsenal disputou a segundona em 1913, enquanto o Manchester conta com 3 participações na série B (em 22, 31 e 74).

Na URUGUAI, Peñarol e Nacional são os que nunca caíram.

Em PORTUGAL, o trio de ferro Benfica, Sporting e Porto também sempre se manteve na primeira divisão.

Abaixo, vocês podem conferir a lista de outros times que sempre disputaram a Primeira Divisão dos campeonatos nacionais.


ALEMANHA (Bundesliga) - Hamburgo e Bayern Munique 

CHILE (Torneo Apertura) - Colo Colo e Cobreloa 

COLÔMBIA (Campeonato Colombiano) - Independiente Santa Fé e Millonarios 

EQUADOR (Campeonato del Equador) - Barcelona de Guayaquil 

ESCÓCIA (Premier League) - Celtic, Rangers e Aberdeen 

FRANÇA (Ligue 1) - Paris Saint-Germain e Auxerre 

GRÉCIA (Super League) – AEK, Olympiakos, Panathinaikos e PAOK (antigo Thessaloniki) 

HOLANDA (Eredivisie) – Ajax, Feyenoord, PSV e Utrecht (antigo DOS) 

MÉXICO (Torneo Apertura) – América, Guadalajara, Necaxa (antigo Atlético Español), Toluca, Pumas (antigo UNAM), Cruz Azul, Santos (antigo Laguna e Deportivo Neza) e Tecos (antigo UAG) 

PERU (Torneo Apertura) - Universitário Lima 

ROMÊNIA (Liga 1) – Dínamo Bucuresti e Steaua Bucaresti (antigo Armata e CCA) 

TURQUIA (Süper Lig) – Besiktas, Fenerbahçe, Galatasaray e Trabzonspor 


*Lembrando que, na época do Fascismo de Mussolini (e seu nacionalismo exacerbado), a Inter foi obrigada a mudar de nome e adotou a alcunha de Ambrosiana.